Expedição Mercedes-Benz do Oiapoque ao Chuí explora pacote de segurança do Actros

14 / 10 / 14

Sistema de gerenciamento inteligente de freios, controle de proximidade e orientador de faixa de rolagem estão entre os itens do pacote.

Blog_14.10

Com a chegada ao estado do Tocantins, a equipe Sul da Expedição Mercedes-Benz do Oiapoque ao Chuí segue mostrando as belezas naturais quase intactas que o país reserva. Entre uma parada e outra, o repórter Fernando Richeti e o motorista Albertine Severo aproveitam para descansar e contar as principais vantagens do Actros.

Desta vez, o pacote de segurança é o assunto do bate-papo entre os dois, que começa exaltando a referência da Mercedes-Benz em segurança nas estradas. O primeiro item destacado é o sistema de gerenciamento inteligente de freios (EBS), que faz uma leitura da situação em que o motorista se encontra e aproveita da melhor forma possível todo o sistema de frenagem do caminhão. Nesse caso, a eficiência dos freios aumenta em até 20%, fazendo toda a diferença na estrada.

Albertini acrescenta que o Actros conta também com assistente ativo de frenagem e o controle de proximidade, que atua combinando o piloto automático com o radar, permitindo que o motorista escolha a distância mínima que o caminhão deve manter do veículo à frente.

Outros itens que ganham espaço na conversão são o sensor de chuva, iluminação, retarder e orientador de faixa de rolagem, que emite um aviso sonoro quando há a mudança de faixa involuntária (sem prévia sinalização).

Para quem precisa de segurança e valoriza isso em um caminhão, o Actros da Mercedes-Benz é uma mão na roda, tanto para a segurança do motorista quanto da carga.

Se interessou? Então continue acompanhando os episódios da expedição e outras novidades no nosso canal do YouTube: https://www.youtube.com/user/MercedesBenzBrasil

Tags:

14 Comentários:

  1. Pablo Träsel disse:

    Oi pessoal tudo bem?
    Primeiramente parabéns pelo feito e por valorizar nosso país da maneira que fazem!
    Estou me programando para fazer o mesmo trajeto do Chuí ao Oiapoque e gostaria de saber se conseguiriam me conectar com algum integrante da expedição para fazer algumas perguntas.

    Parabéns pelo trabalho, material incrível este!

    • Mercedes-Benz disse:

      Bom dia, Pablo! Obrigado pelo feedback! Que bacana que você está planejando essa viagem de norte a sul! Não conseguimos integrar você com o pessoal da expedição, pois essa viagem foi feita há alguns anos, mas você pode verificar alguns vídeos sobre essa viagem em nosso canal no Youtube – http://scup.it/mgjx. Abraço!

  2. Gean de Oliveira disse:

    Sem querer esticar muito, de certa forma a suspensão pneumática seria a melhor escolha para transporte urbano.
    O feixe de molas transmite muito impacto para o resto do veículo. Observei isso quando estava em um 1724 pneumático e um 1721 metálico estava ao lado. Passando por desníveis o 1721 pulou muito e o 1724 mal balançou.

    Muito obrigado.
    Abraço.

    • Mercedes-Benz disse:

      Olá, Gean! Valeu pelo comentário! Quanto à sua sugestão para a suspensão dos veículos OF 1721 e OF 1724, a encaminharemos ao setor responsável para análise. Abraços!

  3. Gean de Oliveira disse:

    No nosso caso então é só mesmo vontade do dono de ter carros com suspensão pneumática né. Porque o uso é urbano, em transporte coletivo.
    Os pneumáticos parecem levemente mais estáveis. Eles oscilam menos, os impactos são mais “secos”, eles não carregam a onda de choque, absorvem mais rápido.

    Não entendi exatamente o Low entry porque os OF-1721L e OF-1724L que conheço tem a mesma altura. Não entendo também como um Ônibus de Motor dianteiro pode possuir piso baixo.

    Quanto ao desenvolvimento pensei que os chassis fossem tecnologia importada produzida no país e que apenas as carrocerias fossem de empresas brasileiras, como é a Marcopolo, a Caio, a Neobus etc.

    Muito obrigado. Abraço.

    • Mercedes-Benz disse:

      Olá Gean! Respondendo a sua dúvida, os modelos Low entry são mais baixos do que os comuns para facilitar a entrada dos passageiros no veículo. Os chassis OF-1721 L e OF-1724 L são Low entry e ambos possuem piso baixo. Sobre o tipo de suspensão, influenciam também na oscilação do veículo e nos impactos percebidos pelos passageiros, o tipo de carroceria utilizada, o peso que o veículo irá transportar, entre outros pormenores. Por isso, recomendamos que nossos clientes sempre procurem o concessionário para adquirir o modelo que melhor atenderá a sua necessidade de transporte. Abs!

  4. genivaldo jose da silva disse:

    Bela centopéia, máquina linda gostaria de pelo menos entra nesse mostro. Seria um sonho de pilotagem, Mercedes minha paixão.

  5. luiz da silva fonseca disse:

    A Mercedis-Benz esta de parabéns por proposiona tantas maravilhas de caminhos vans e outros modelos de veículos especialmente o que eu quero adquiri para a minha empresa em brevi

  6. ivo disse:

    com o novo motor prometido para 2015 o actros aumentara sua participaçao no mercado

    • Mercedes-Benz disse:

      Oi, Ivo! Obrigado pelo comentário e por se manter atualizado quanto às nossas novidades. Continue nos acompanhando e interagindo com a gente! Abraços!

  7. Gean de Oliveira disse:

    Bom dia,

    Quais as diferenças entre o OF-1724 e o OF-1724L?
    O que seria esse “L”? Vi nos dados técnicos que a versão “L” possui suspensão a ar.
    Existe alguma vantagem no sistema de suspensão a ar sobre o feixe de molas ?

    Aqui em BH muitos Ônibus do sistema BRT são Mercedes-Benz OF-1724L (porque pode-se ver uma plataforma na região das rodas que creio eu, ser da suspensão a ar). Outros vários são Volvo B270F, bons também, mas tem escalonamento meio reduzido.

    Queria deixar a sugestão de vocês trabalharem em chassis mais longos sem articulação, justamente para o sistema BRT.
    Isso porque como existem portas dos dois lados a movimentação dentro do veículo é muito estranha, chega a ter perda de espaço nos locais próximos as portas porque é pouco para uma poltrona e muito para ficar vazio.
    O salão dianteiro também é muito pequeno, fico indignado ao ver idosos de pé,que geralmente se sentavam na frente.
    Outro problema é o peso das carrocerias(com ar-condicionado). O Ônibus fica muito lento em determinadas situações. Ma isso não é problema da Mercedes, o sistema é que não deveria ter ar-condicionado.

    Uma última dúvida: Não creio que esse tipo de veículo seja amplamente utilizado na Alemanha. Eles são desenvolvidos lá ?

    Abraço.
    Obrigado.

    Acreditem, estou tão feliz com o título do Mundial de Formula 1 que nem consigo descrever. Parabéns.

    • Mercedes-Benz disse:

      Olá, Gean! Respondendo suas dúvidas, a letra “L” presente na nomenclatura do OF-1724 L refere-se ao termo “Low entry” que no geral significa piso baixo. Vale lembrar que todos os modelos classificados como piso baixo terão automaticamente a suspensão pneumática. Quanto a escolha entre a suspensão pneumática e metálica, as vantagens entre uma e outra opção variam de acordo com a atividade e utilização do veículo e nosso consultor do concessionário poderá ajudar o cliente da melhor maneira. Além disso, os ônibus comercializados no Brasil são também desenvolvidos e produzidos aqui, de acordo com as características da nossa região. Ah, nós também exportamos nossos chassis para toda a América Latina. Valeu por se lembrar da vitória da nossa equipe no Mundial de Fórmula 1, nós da Mercedes-Benz do Brasil também estamos super contentes. Continue nos acompanhando!

Deixe uma resposta

    Nós utilizamos cookies

    Queremos melhorar sua experiência de navegação em nosso site. Ao continuar a utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

    Para mais informações, por favor veja nossa Declaração de Privacidade.

    OK